ACESSE

www.aodeusunico.com.br

VEJA NOSSA WEBTV ADVENTISTA BEREANA DO 7º DIA DO VALE DO SÃO FRANCISCO

terça-feira, 25 de agosto de 2009

A "PREEXISTÊNCIA" DE JESUS CRISTO

Olá irmão Heráclito, gostaria que o irmão publicasse no blog este assunto para DEBATE e ESTUDO. Meu nome e e-mail estão no fim do estudo, podem corresponder comigo se quiserem. Que Nosso Único Deus vos abençoe.

A "Preexistência" de Jesus Cristo

Várias passagens bíblicas parecem implicar que Jesus Cristo existiu de alguma forma no céu antes de aparecer aqui na terra. A maioria destas passagens encontram-se no Evangelho de João.. Por exemplo:

"Porque eu desci do céu, não para fazer a minha própria vontade, e sim a vontade daquele que me enviou." (João 6:38).

"Que será, pois, se virdes o Filho do Homem subir para o lugar onde primeiro estava?" (João 6:62).

"Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade eu vos digo: antes que Abraão existisse, EU SOU." (João 8:58).

"E, agora, glorifica-me, ó Pai, contigo mesmo, com a glória que eu tive junto de ti, antes que houvesse mundo." (João 17:5).

É argumentado que estas afirmações são claras e que devemos aceitar o ensino bíblico que Jesus viveu anteriormente no céu. É certo que as passagens são claras, mas isso não significa necessariamente que devemos considerá-las como literais. Existem outras passagens bíblicas que são tão claras como estas e, no entanto não as consideramos literalmente, ainda que as pessoas que as ouviram estas palavras não sabiam inicialmente como considerá-las. Muitas destas passagens também encontram-se no Evangelho de João. Por exemplo:

"Jesus lhes respondeu: Destruí este santuário, e em três dias o reconstruirei. Replicaram os judeus: Em quarenta e seis anos foi edificado este santuário, e tu, em três dias, o levantarás?" (João 2:19-20).

"A isto, respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo que, se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus. Perguntou-lhe Nicodemos: Como pode um homem nascer, sendo velho? Pode, porventura, voltar ao ventre materno e nascer segunda vez?" (João 3:3-4).
"Afirmou-lhe Jesus: Quem beber desta água tornará a ter sede; aquele, porém, que beber da água que eu lhe der nunca mais terá sede; pelo contrário, a água que eu lhe der será nele uma fonte a jorrar para a vida eterna. Disse-lhe a mulher: Senhor, dá-me dessa água para que eu não mais tenha sede, nem precise vir aqui buscá-la." (João 4:13-15).

"Disse-lhes Jesus: A minha comida consiste em fazer a vontade daquele que me enviou e realizar a sua obra." (João 4:34).

"Este é o pão que desce do céu, para que todo o que dele comer não pereça." (João 6:50).

"Se um dos teus olhos te faz tropeçar, arranca-o e lança-o fora de ti..." (Mateus 18:9).
"Dizia a todos: Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, dia a dia tome a sua cruz e sigame." (Lucas 9:23).

"Estou crucificado com Cristo..." (Gálatas 2:19).

Da mesma maneira como não tomamos as anteriores afirmações literalmente, tão-pouco devemos tomar em sentido literal as afirmações de que Jesus viveu anteriormente no céu antes de nascer na terra.. Em primeiro lugar, a Bíblia afirma que Jesus é um homem.

Ver Isaías 53:3, João 1:30, João 8:40, Actos 2:22, Actos 17:31, Romanos 5:15, 1 Coríntios 15:21, 1 Coríntios 15:47.

Nós homens e mulheres começamos a existir quando nascemos. No caso de Jesus, Mateus e Lucas nos informam que Maria a mãe de Jesus concebeu pelo poder do Espírito de Deus, e Mateus nos fala do momento em que "Tendo Jesus nascido em Belém da Judéia, em dias do rei Herodes" (Mateus 2:1).

Se Jesus não nasceu de forma normal e real nessa altura, em que sentido pode ser filho de Abraão e David, ou mesmo de Maria? Lucas diz-nos que o menino Jesus crescia "em sabedoria, estatura e graça, diante de Deus e dos homens." (Lucas 2:52).

Como pode ter crescido em sabedoria se antes de nascer já era um ser celestial dotado de sabedoria? E se Jesus abandonou toda a sua sabedoria e conhecimento anterior para nascer na terra como homem, como pode continuar a ser a mesma pessoa? Já que a essência de qualquer pessoa é a totalidade das suas experiências e sabedoria adquirida ao longo da sua vida.
Também o autor da Epístola aos Hebreus diz que Jesus foi aperfeiçoado e aprendeu a obediência através das suas experiências aqui na terra (Hebreus 2:10, 5:8), mas como pode ter-se aperfeiçoado aqui se antes de nascer já era um ser celestial perfeito e poderoso?
Existia entre os judeus a idéia de que um bom mestre "vinha de Deus”, mas não no sentido de ter vivido nos céus com Deus antes de nascer. Por exemplo, em João 3:2 Nicodemos disse a Jesus:

"Rabi, sabemos que és Mestre vindo da parte de Deus; porque ninguém pode fazer estes sinais que tu fazes, se Deus não estiver com ele." No entanto, não há provas de que Nicodemos cresse que tinha existido literalmente nos céus antes de nascer.

Se a Bíblia aparentemente insinua que Jesus veio do céu, diz o mesmo acerca de outros homens.
Por exemplo, João 13:3, diz que Jesus "viera de Deus," e em João 16:28 Jesus diz "Vim do Pai e entrei no mundo."

Estas palavras são usadas como prova da preexistência de Jesus no céu, mas João 1:6 diz: "Houve um homem enviado por Deus cujo nome era João”.

A frase afirma literalmente que João veio da presença de Deus, assim como Jesus, mas ninguém mantém que João tivesse preexistido no céu.

Outro caso ainda mais claro é o do profeta Jeremias, Em Jeremias 1:5 a palavra de Yahvéh veio ao profeta dizendo, "Antes que eu te formasse no ventre materno, eu te conheci, e, antes que saísses da madre, te consagrei, e te constituí profeta às nações."

Estas palavras tomadas literalmente, implicam que Jeremias existia antes de nascer, mas ninguém as toma nesse sentido. Significam que antes do profeta nascer, Yahvéh já sabia como seria e já tinha decidido que quando nascesse o nomearia para profeta às nações.
Antes de nascer, Jeremias existia somente na mente e no plano de Deus, que conhece todas as coisas antes que existam. Da mesma forma, Deus diz em Isaías 51:2 que "Era ele[Abraão] único, quando eu o chamei, o abençoei e o multipliquei." Como já tinha decidido que Abraão teria uma descendência numerosa, falou disso como fosse realidade desde que o decidiu (ver também Isaías 46:10, 49:1-3, Romanos 4:17).

O salmista diz: "Os teus olhos me viram a substância ainda informe, e no teu livro foram escritos todos os meus dias, cada um deles escrito e determinado, quando nem um deles havia ainda." (Salmo 139:16).

Mesmo a nível puramente humano, quando um arquiteto vai construir um edifício, primeiro faz uma maquete, e possivelmente apresenta-a dizendo: "Este é o edifício X," quando ainda não é mais que um projeto.

O Novo Testamento diz que Deus escolheu os crentes cristãos antes que nascessem, falando como se já existissem. Em Efésios 1:4 Paulo diz que Deus "nos escolheu nele [Cristo] antes da fundação do mundo," o que implica que se Cristo existia naquela altura, também existiam as demais pessoas que iam crer nele.

Na realidade, Paulo está falando da predestinação, o fato de que Deus conhece de antemão quem vai nascer e que papel terá no seu plano e propósito. Uns versículos mais à frente, em Efésios 1:11, o apóstolo diz explicitamente: "Nele, digo, no qual fomos também feitos herança, predestinados segundo o propósito daquele que faz todas as coisas conforme o conselho da sua vontade."

Também diz em Romanos 8:29-30: "Porquanto aos que de antemão conheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos." Dirigindo-se a Timóteo, Paulo fala da "graça que nos foi dada em Cristo Jesus, antes dos tempos eternos" (2 Timóteo 1:9), como se todos os crentes já existissem nesse tempo. Da mesma forma o apóstolo Pedro explica as alusões à suposta "preexistência" de Jesus Cristo ao dizer que foi "conhecido, com efeito, antes da fundação do mundo, porém manifestado no fim dos tempos, por amor de vós" (1 Pedro 1:20).

No que se refere à "glória que eu tive junto de ti, antes que houvesse mundo" (João 17:5), é obvio que Jesus não pode ter desfrutado dessa glória ainda que realmente existisse nessa altura, visto que as Escrituras enfatizam que só se tornou merecedor dessa glória ao completar na cruz a sua vitória sobre o pecado. O escritor aos Hebreus diz:

"Vemos, todavia, aquele que, por um pouco, tendo sido feito menor que os anjos, Jesus, por causa do sofrimento da morte, foi coroado de glória e de honra, para que, pela graça de Deus, provasse a morte por todo homem." (Hebreus 2:9).

Em Atos 3:13, referindo-se à ressurreição e ascensão de Jesus ao céu, Pedro diz:

"O Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó, o Deus de nossos pais, glorificou a seu Servo Jesus, a quem vós traístes e negastes perante Pilatos, quando este havia decidido soltá-lo."
Na sua primeira epístola, Pedro diz que Deus "o ressuscitou[Jesus] dentre os mortos e lhe deu glória.." (1 Pedro 1:21).

O próprio Jesus, falando com dois discípulos no caminho de Emaús enfatiza que a sua glorificação era posterior aos seus sofrimentos dizendo:

"Porventura, não convinha que o Cristo padecesse e entrasse na sua glória?" (Lucas 24:26; ver também João 7:39, João 12:16).

As passagens anteriores demonstram que Jesus não pode ter literalmente usufruído glória antes do seu nascimento, porque somente podia recebê-la depois de ter terminado o seu ministério com êxito. Tanto a existência de Jesus antes que o mundo existisse, como a sua glorificação, somente podem ter existido de forma antecipada na mente e propósito de Deus. Este propósito foi aos poucos revelado aos profetas. Falando do que ia acontecer, o Senhor disse. "O Filho do Homem vai, como está escrito a seu respeito..." (Mateus 26:24). As passagens que são citadas para apoiar a idéia da suposta "preexistência" de Jesus Cristo não indicam que realmente vivesse no céu antes de nascer.

Simplesmente enfatizam em linguagem figurada o fato que a aparição do Senhor Jesus na terra não foi uma coisa do acaso mas um acontecimento que foi determinado e autorizado pelo seu Pai celestial desde antes da criação do mundo.

Autor: James Hunter (Missão Bíblica Cristadelfiana).

Divulgado por: Marcelo Alexandre do Valle
E-mail: marceloalexandrevalle@yahoo.com.br


Que O Único Deus abençoe a todos, em nome do Senhor Jesus, O Cristo.

BLOG: O fato de estar publicado no Blog, não quer dizer que compartilhamos do pensamento do autor. Como o irmão Marcelo deixou claro no início, esse é um assunto para ESTUDO e DEBATE.

27 comentários:

  1. Olá Irmão Marcelo, que o Eterno te abençoe.

    Acredito que devemos ter cuidado em saber o que é LITERAL e o que é SIMBÓLICO, para não corrermos o risco de aplicarmos um simbolismo naquilo que é literal ou aplicarmos uma literalidade naquilo que é simbólico.

    Este pensamento é de grande relevância:

    “As verdades mais claramente reveladas na Escritura Sagrada têm sido envoltas em dúvida e trevas pelos homens doutos que, com pretensão de grande sabedoria, ensinam que as Escrituras têm um sentido místico, secreto, espiritual, que não transparece na linguagem empregada. (...) A linguagem da Bíblia deve ser explicada de acordo com o seu óbvio sentido, a menos que seja empregado um símbolo ou figura.” – EGW no GC, pág. 598.

    Veja por exemplo João 20:22: “E, havendo dito isto, assoprou sobre eles e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo.” Os nossos irmãos que defendem a Trindade, não aceitam esse verso como LITERAL, afirmando com isso que Jesus não assoprou o Espírito sobre os discípulos. Mas o contexto (João 20:19-23) é totalmente LITERAL e assim devemos entender também João 20:22.

    Afirmar que Jesus existia apenas na mente de Deus, ou seja, no desejo e na onisciência de Deus, ou em outras palavras, Ele só passou a existir literalmente, quando nasceu como homem aqui na terra, acredito que é ir contra várias passagens bíblicas, as quais entendo como LITERAIS. Veja por exemplo:

    a) “João testemunha a respeito dele e exclama: Este é o de quem eu disse: o que vem depois de mim tem, contudo, a primazia, PORQUANTO JÁ EXISTIA ANTES DE MIM.” João 1:15 E também o verso 30: “É este a favor de quem eu disse: após mim vem um varão que tem a primazia, PORQUE JÁ EXISTIA ANTES DE MIM.” Bem sabemos que João Batista, era uns 6 meses mais velho que Jesus, mas ele diz que Jesus já existia antes dele. Afirmar que Jesus EXISTIA apenas na mente de Deus, acredito que seja ir além do que está escrito.

    b) Na criação do mundo é-nos revelado que o Pai criou todas as coisas por “intermédio Dele” (João 1:3). Paulo também diz que: “POIS NELE foram criadas todas as coisas”, ou seja, através Dele (Colossenses 1:16), e depois ele ratifica: “PELO QUAL também fez o universo” (Hebreus 1:2). Esses versos nos mostram que Deus criou todas as coisas ATRAVÉS DO FILHO, portanto entendo que Ele já existia.

    c) Em relação a glória do Filho, quero te dizer o seguinte: Jesus pede para ser glorificado com a glória que Ele tinha com o Pai, antes que houvesse mundo (João 17:5). Ele antes de vir ao mundo, já tinha essa glória, porém Ele ao vir a terra “a si mesmo se esvaziou” (Filipenses 2:7), ou seja, o Divino se torna carne, “tornando-se em semelhança de homens”, foi por isso que Ele aqui na terra como homem “crescia em sabedoria, estatura e graça, diante de Deus e dos homens.” (Lucas 2:52), pois verdadeiramente Ele era HOMEM e ainda É “Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo HOMEM.“ (I Timóteo 2:5). Agora, após Sua vitória sobre o pecado, Ele é novamente glorificado, pois “Digno é o cordeiro que foi morto de receber o poder, e riqueza, e sabedoria, e força, e honra e GLÓRIA, e louvor.” (Apocalipse 5:12).

    Com amor fraterno,

    João Carvalho

    ResponderExcluir
  2. Interessante! Como pode alguém querer induzir os leitores da Biblia a crer nessa "teoria"?
    Infelizmente tem surgido muitas pessoas que se julgam "entendidas" ou que descobriram "novas" verdades e com isso confundem ainda mais àqueles que não tem total convicção das verdades bíblicas. Cuidado! Nos "últimos dias" o inimigo estaria atuando de tal forma que se possível enganaria até os escolhidos.

    ResponderExcluir
  3. Elpídio da Cruz Silva29 de agosto de 2009 18:53

    Nos primeiros anos da sua formação o Cristianismo enfrentou um inimigo perigossímo, o Gnosticismo. Essa religião que foi contemporânea do Cristianismo nos seus primeiros anos não aceitava que Jesus fosse o Messias, o Logos de Deus. Para os gnóstico, no máximo Jesus era um anjo poderoso mas, não era o Logos. Segundo a crença gnóstica, o Logos, por ser perfeito jamais poderia vir e assumir a forma humana ou se encarnar em um corpo humano e mortal. Em outras palavras, os gnósticos também não acreditavam na pré-existência de Cristo. Eles acreditavam que aquele homem que andou na terra durante pouco mais de 33 anos pudesse ser o Logos do Pai. Volta e meia o gnosticismo, com uma roupagem remodelada resurge. Imaginar um Cristo apenas humano, sem uma anterioridade divina, é fazer o mesmo que os trinitarianos fazem com o Mestre: negam-lhe sua filiação literal em relação ao Pai. João ao escrever seu livro ele o fez para se opor aos gnósticos que não acreditavam que Cristo era o Filho de Deus.
    Se João acreditasse que Jesus Cristo não possuía uma anterioridade divina, ele jamais teria escrito os seus livros da forma que o fez, batendo sempre na mesma tecla: "Aquele que nega que Jesus não veio em carne, é o anticristo". Essa afirmação de João só tem sentido colocando-a no seu contexto. Os gnósticos não acreditavam na divindade de Jesus pois, para eles o Logos imortal não poderia fazer parte da carne mortal. Se não houvesse um Logos imortal, que viera e tornara-se carne, João não teria dito: "Aquele que nega que Jesus veio em carne é o anticristo". Só poderia vir em carne alguém que já existia. Se a existência de Cristo foi apenas humana, o preço do pecado também foi tão baixo que um simples homem pode pagá-lo.
    Se ele fosse apenas humano, maior parte do Novo Testamento perderia seu sentido e o Cristianismo se tornaria uma religião como outra qualquer.
    Infelizmente, os gnósticos nunca desapareceram, apenas adquiriram outra roupagem.

    Elpídio da Cruz Silva

    ResponderExcluir
  4. Caro irmão Elpídio, em sua resposta ao tema da pré-existência de Jesus no blog dos bereanos da Paraíba, o irmão apesar de demonstrar conhecimento da história do Cristianismo, na minha opinião cometeu 2 (dois) equívocos com relação à questão do tema apresentado no blog, talvez porque não leu e analisou o artigo no todo ou porque já está com a mente “impregnada” com a doutrina adventista dos pioneiros.

    1 – O Evangelho de João foi escrito com a finalidade de mostrar que Jesus é o Cristo (João 20:31). O irmão sabe muito bem que Cristo é a palavra grega para “Ungido”. João sendo judeu e discípulo de Jesus não ensinaria nenhuma doutrina fora dos conceitos judaicos do Messias, a quem ele tanto amava. O estudo não diz que Jesus não é o Filho de Deus, apenas mantem que Ele não teve uma preexistência literal no céu, pois isso seria o mesmo que sustentar a doutrina da Trindade, apenas com a diferença de alguns termos. Quem crê que Jesus, o Filho de Deus, foi um anjo ou arcanjo antes de vir em carne no ventre de Maria, crê "implicitamente" na doutrina da Trindade, apenas com diferenças de terminologia. O trinitariano diz que Jesus era Deus e se “esvaziou da sua divindade” para se tornar homem e depois voltou a ser Deus no céu. Já os chamados adventistas-históricos ( penso que os irmãos da ICBA também), dizem que Ele era “Filho” mas também era “O Arcanjo Miguel?!!”, se esvaziou e se fez homem, mas voltou a condição de Filho de Deus, crença esta que foi sustentada pelos pioneiros adventistas, incluindo Ellen White (Cristo e Sua Justiça – Capítulos 2,3 e 4 – Ellet Joseph Waggonner).

    O problema com essa crença (TRINITÁRIA EM OCULTO) é que a bíblia é bem clara ao afirmar que O Único imortal, Eterno é Deus, O Pai ( 1 Tm. 1:17 e 6:16 / Salmos 90:2 e 4 ). Imortal é a qualidade de “jamais” morrer, aquele que NÃO ESTÁ e NUNCA ESTARÁ sujeito à morte. Sendo assim vos pergunto: Como pode, um ser eterno e imortal, gerar um filho na eternidade, da mesma substância e natureza de Deus e com todos os seus atributos, porém sujeito à morte?

    SE O FILHO TEM A MESMA SUBSTÂNCIA E NATUREZA DO PAI IMPLICA QUE ELE TAMBÉM ERA IMORTAL, portanto não poderia jamais morrer!!

    Outro ponto importante é que o Livro de Hebreus refuta esta crença errônea que o Messias foi algum dia um anjo.

    Hebreus 1:4-6 e 7 – Feito tanto mais excelente do que os anjos, quanto herdou mais excelente nome do que eles. Porque, “a qual dos anjos disse jamais: Tu és meu Filho, Hoje te gerei?” Eu lhe serei por Pai, e Ele me será por Filho? E outra vez, quando introduz o primogênito no mundo, diz: E todos os anjos de Deus o adorem. E a qual dos anjos disse jamais: Assenta-te à minha destra, Até que ponha a teus inimigos por escabelo de teus pés?

    ResponderExcluir
  5. SEGUNDA PARTE DA RESPOSTA

    Ao contrário do que o irmão afirmou, segundo algumas linhas gnósticas, Cristo não veio em carne e nunca assumiu um corpo físico, nem foi sujeito à fraqueza e às emoções humanas, embora parecesse ser um homem, enquanto a principal linha de gnosticismo cristão, a Valentiniana defende a tese próxima do nestorianismo, doutrina cristã nascida no Século V, segundo a qual há em Jesus Cristo duas pessoas distintas, uma humana e outra divina, sendo Cristo (o ungido), o éon celestial que a um tempo se une a Jesus. ( PENSO SER ESTA SUA CRENÇA).

    O estudo defende que Jesus era e é Filho de Deus e também foi um HOMEM que viveu na terra e como Paulo ensina continua a ser, mesmo depois de subir ao céu. (1 Tim. 2:5). Não há, como o irmão menciona, nenhuma negação de que O Ungido tenha vindo em carne.

    2 – Chamar este ou aquele grupo, usando termos como: “herético” e “gnóstico” não constitui novidade, uma vez que muitos servos de Deus no passado (incluindo O Messias), receberam ofensas muito piores, mas permaneciam firmes sustentando a verdade da palavra de Deus. Já que o irmão conhece bem a história, veja quais verdades defendiam Miguel Serveto e um Mestre Anabatista chamado Adan Pastor, que pagaram com a própria vida.

    O Fato de Cristo ter sido apenas um ser humano, sem existência anterior imortal, não reduz o preço da salvação, pois sendo Cristo nosso exemplo, sua morte abriu-nos o caminho até Deus; Como diz em Hebreus, com a sua morte rasgou o véu que estava no lugar santíssimo dando livre acesso, não só ao sumo sacerdote, mas sim a todos. E necessitamos desse acesso para comparecer diante do trono de Deus para pedir perdão pelos nossos pecados.

    Não tenho nenhuma intenção de converter ninguém, apenas penso que as Escrituras não ensinam o tema da “preexistência” literal de Jesus, ou seja, que Jesus teve uma vida anterior ao momento que se tornou um ser humano.

    Que O Eterno, Imortal e Invisível Deus, vos abençoe em Nome de Seu Filho Jesus, O Cristo.

    Marcelo (marceloalexandrevalle@yahoo.com.br)

    ResponderExcluir
  6. Elpídio Cruz Silva1 de setembro de 2009 14:42

    A PEQUENA DISTÂNCIA ENTRE O TRINITARIANISMO E A NEGAÇÃO DA PRÉ-EXISTÊNCIA DE CRISTO

    Poucos trinitarianos têm consciência de que para aceitar o seu tão caro dogma, precisam colocar a expressão “Filho de Deus” no âmbito da metáfora, da figura de linguagem, da não literalidade. O dogma trinitário tem com um dos seus pressupostos a negação da filiação literal de Cristo em relação a Deus, a que Jesus sempre identificou como seu Pai. Partindo do princípio da co-eternidade, dentro da lógica trinitária, Cristo jamais poderia ser Filho de Deus no sentido literal. Se ele fosse Filho, existiria entre Ele e seu Pai a condição da anterioridade e dessa forma, a suposta co-eternidade estaria desfeita. Se Deus é literalmente Pai de Cristo, então Jesus teria tido sua origem no Pai e assim, não poderia ser eterno dentro da noção de eternidade que hoje conhecemos.
    Para sustentar que Cristo não é Filho de Deus, os trinitarianos argumentam que em todas as vezes que a Bíblia o menciona como tal, ela o faz em um sentido simbólico, não real. Cristo, dentro do pensamento trinitariano, seria tão Filho de Deus como o são os anjos, como são todos os homens e como um dia foi até mesmo o reino de Israel. Eles usam esse raciocínio para não tirar de Cristo sua suposta situação de co-eternidade junto com o Pai. Sendo Deus, ainda que uma das pessoas da trindade, Cristo precisa ser encarado como possuindo a eternidade, que é um dos atributos da divindade. Toda a argumentação dos trinitarianos nesse aspecto tem apenas um objetivo: negar que Cristo seja Filho de Deus.
    Da mesma forma que os trinitarianos, os que não acreditam na pré-existência de Cristo também negam que Ele seja de fato Filho de Deus. Para esses, os negadores da existência pré-encarnatória de Cristo, caso Ele seja Filho literal de Deus, sua pré-existência estaria estabelecida desde um tempo que transcende ao nosso entendimento. Esses negadores enxergam Deus e seu Filho através de uma concepção herética que teve origem entre os ebionitas, ainda no ano 66. Essa concepção foi difundida, reelaborada, reescrita, repensada pelos docetas, pelos arianos, pelos apolinarianos, pelos nestorianos, pelos eutiquianos, e finalmente, pelos trintarianos. De uma ou de outra forma, todas essas correntes teológicas que elaboraram idéias sobre a pessoa de Cristo, sempre se afastaram da verdade bíblica sobre Nosso Senhor. Ou Ele era apenas homem, ou apenas Deus; ou apenas uma imagem, um fantasma; ou homem e Deus simultaneamente. É notório que nenhuma dessas correntes teológicas tenham acreditado que Cristo era o Filho de Deus nos sentido literal. Todas elas negaram e ainda negam que a Bíblia apresenta a pessoa de Cristo como o unigênito Filho de Deus, o “único de uma espécie”, a espécie Filho De Deus.

    ResponderExcluir
  7. Elpídio Cruz Silva1 de setembro de 2009 14:43

    O FILHO DE DEUS EM HEBREUS:

    “Havendo Deus antigamente falado muitas vezes, e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos nesses últimos dias pelo Filho”. Hebreus 1:1

    Os que negam a pré-existência de Cristo argumentam que no passado Cristo nunca falou aos homens e que Deus apenas fez uso dos profetas para trazer suas mensagens aos pais, Esquecem os negadores que Deus poucas vezes falou diretamente com os homens e que na maioria das vezes ele usou um mediador, um intermediário para falar com o seu povo. Cristo estava junto com o povo de Deus durante todo o tempo no passado, falando com o povo, instruindo o povo, somente que de forma oculta, misteriosa. Ele era o “Mistério que esteve oculto desde todos os séculos, e em todas as gerações, e que agora foi manifestado aos seus santos;...para que os seus corações sejam consolados, e estejam unidos em caridade, e enriquecidos da plenitude da inteligência, para o conhecimento do Mistério de Deus-Cristo”. Colossenses 1:26 e 2:2. Cristo esteve oculto no passado por razões que pertencem exclusivamente a Deus. Deus no passado falou através do Filho aos profetas. O fato de Deus ter usado um intermediário oculto não faz com que a mensagem não seja Dele. Deus continuou falando através do Filho, somente que após a encarnação, o emissário não estava mais escondido, mas pessoalmente trazia as palavras de Deus.

    “A quem constituiu herdeiro de tudo, por quem também fez o mundo. O qual sendo o resplendor da sua glória, e a expressa imagem da sua pessoa, e sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, havendo feito por si mesmo a purificação dos nossos pecados, assentou-se a destra da Majestade nas alturas”. Hebreus 1:2 e 3

    Clareza maior impossível. Todas as coisas foram feitas por Cristo, claro que sob a direção de Deus. Cristo foi o mestre-de-obras de Deus. Para fazer todas as coisas, necessariamente Ele precisava ser anterior a elas. Além de as fazer, Nosso Senhor ainda as sustenta.

    “Feito tanto mais excelente do que os anjos, quando herdou mais excelente nome do que eles”. Hebreus 1:4
    O autor continua exaltando a pessoa de Cristo e agora ele faz essa exaltação comparando o Salvador com os anjos. Isso mostra que a exaltação de Cristo é anterior a criação do homem. Cristo herdou de Deus uma condição que nenhum outro herdou, a de Filho.

    “Porque, a qual dos anjos disse jamais: Tu és meu Filho, hoje te gerei? E outra vez: Eu lhe serei por Pai, e ele me será por Filho?”. Hebreus 1:5

    Eis aqui o grande dilema dos trinitarianos, principalmente. A palavra “hoje” os tem atormentado por séculos. Chegaram até a dizer que esse “hoje” é um hoje eterno, somente para negar a origem de Cristo em Deus como Filho. Outros dizem que o autor do livro aos Hebreus está pegando emprestado e exaltação do rei Davi e a aplicando metaforicamente à pessoa de Cristo. Outros dizem que esse “hoje” significa a unção de Cristo após o batismo para iniciar seu ministério terrestre. Poucos assumem que esse “hoje” expressa o nascimento de Cristo antes da existência do tempo. Se foi Ele quem criou todas as coisas, criou inclusive o tempo e, portanto, estava fora dele quando da sua origem em Deus.

    “E quando outra vez introduz no mundo o primogênito, diz: E todos os anjos de Deus o adorem”. Hebreus 1:6

    Cristo é exaltado a condição de merecedor de adoração por parte das criaturas. Nenhuma criatura possuí esse direito. Cristo teve o direito a adoração por ser a expressa imagem de Deus, por sustentar todas as coisas pela palavra do seu poder, por ter feito a purificação dos pecados dos homens entre outras coisas. No entanto, Cristo não olha para si mesmo como independente do Pai e muito menos os anjos deixam de reconhecer que Deus, só existe um, o Pai. “Para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, na terra e debaixo da terra, e toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para a glória de Deus Pai”. Filipenses 2:10 e 11.

    ResponderExcluir
  8. Elpídio Cruz Silva1 de setembro de 2009 14:44

    “Mas do Filho, diz: Ó Deus, o teu trono subsiste pelos séculos dos séculos; cetro de equidade é o cetro do teu reino. Amaste a justiça e aborreceste a iniqüidade; por isso Deus, o teu Deus te ungiu com óleo de alegria mais do que a teus companheiros”. Hebreus 1:8 e 9

    A exaltação de Cristo se fecha de forma impressionante. Ele é chamado textualmente de Deus, no entanto, ao mesmo tempo de o autor de Hebreus faz isso, ele tem o cuidado de subordinar Jesus a Deus, que inclusive é identificado como Deus do próprio Cristo. O autor magistralmente eleva Jesus Cristo a situação de poder receber adoração e imediatamente condiciona o próprio Cristo aos pés de Deus, mantendo o Pai como único Deus do Universo. Isso só foi possível porque para o autor do livro aos Hebreus, substancialmente, essencialmente, naturalmente, Filho de Deus, é Deus. Vale destacar que Cristo é Deus pela sua condição de Filho de Deus. Filho de peixe é peixe. Vale destacar que a Bíblia nunca apresentou dois deuses no sentido da soberania irrestrita sobre o Universo. Deus neste sentido só existe um, o Pai.

    Está claro apenas pelo livro Aos Hebreus que a existência de Cristo antes da encarnação não ocorreu apenas no nível ontológico, no pensamento de Deus. Ele foi sempre uma pessoa de existência real no passado antes da encarnação e por toda a eternidade futura.

    Quanto às questões da encarnação do Filho de Deus, da sua morte literal na cruz, da sua ressurreição pelo poder do Pai, da sua exaltação à majestade nas alturas, das suas naturezas antes e pós encarnação, pode ser assunto para outros momentos.

    Elpídio da Cruz Silva

    ResponderExcluir
  9. Está claro que o livro de Hebreus é a maior prova da "humanidade" real de Jesus e sua superioridade e nada afirma de uma suposta "preexistencia" literal. Outro fato é o que Hebreus 1:5,13 nos informa que Deus não chamou nenhum anjo de Filho e não ordenou a nenhum anjo sentar-se a sua direita. Isto remete indubitavelmente aos Salmos 2:7 e 110:1, onde os versos são uma alusão "profética" ao Messias, Jesus (Mateus 1:1). Os pioneiros adventistas criam que Jesus era o ANJO DO SENHOR que guiava os israelitas no deserto. Mas Hebreus 1 refuta claramente esta "heresia".
    Se Cristo tinha uma existência anterior antes da encarnação, então os versos que falam do seu nascimento em Lucas são "mentira", pois um escritor inspirado não escreveria pressupondo que O ser descrito ali já tivesse existido antes. (Lucas 1:35 e 67-75).
    Utilizar textos como Prov.8:23 e João 6:38 não provam uma pré-existência.
    Se Jesus é a sabedoria de prov. 8 então quem é a prudência? (Prov. 8:12).
    Somente João em seu evangelho utiliza a expressão É ANTES DE MIM PORQUE FOI PRIMEIRO DO QUE EU. Compare ATOS 13:24,25 / MATEUS 3:11 / MARCOS 1:7 / LUCAS 3:16 E JOÃO 1:15,30.
    João é o evangelho mais complexo, que ensina coisas muito espirituais e o homem carnal tem dificuldade em entendê-lo.
    Deus abençoe a todos
    Marcelo (marceloalexandrevalle@yahoo.com.br)

    ResponderExcluir
  10. Certos assuntos ,no meu humilde entender nao devem ser questionados; quem ler a PALAVRA sabe que JESUS ja existia antes de ser enviado pelo nosso PAI.

    ResponderExcluir
  11. Defesa da Pré existencia de Jesus como ser ou anjo antes de vir, tem forte apelo espirita.

    Aqueles que defendem a pré-existencia de Jesus como ser estão dando forte argumento aos espiritas que ensinam a doutrina falsa de re-encarnação. POis ao Afirmarem que um ser Eterno vem novamente a nascer no ventre de uma mulher, sendo desta forma uma nova e segunda vida.

    O Dogma da Trindade antes do Seculo 4 estava fortemente firmado nos presupostos de mistura de crença pagã e gnóstica elevando Jesus a um Deus igual ao Pai em todos os sentidos. Historicamente somente após o 4 seculo o Espirito Santo foi elevado e aceito a um Ser componente da trindade como tal nos credos.


    Em nenhum lugar da biblia antes de Jesus vir nos é apresentado uma segunda Divindade "Deus Filho". Toda utilização de argumentos que Jesus seria o arcanjo Miguel ou manisfestações Teofâncias de Deus em forma de anjos são especulativas e desprovidas de sustentação Biblica sólida.

    O estudo Apresentado pelo caro irmão Marcelo Vale esta fortemente consolidado nas Sagradas Escrituras e na correta interpretação Judaica-Cristã, colocando o contexto geral das Sagradas escrituras de forma coerente e com base sólida.

    O Dogma da trindade vai se desenvolver exatamente nas argumentações Filosoficas sobre uma "Pre-existencia" do Logos como ser, onde 2/3 da argumentação trinitária advem destas especulações Filosoficas de "Homoosius", Hipotases, Pre existencia do "Ente" antes de formar-se no ventre de Maria.

    Jesus pré existiu ONTOLOGICAMENTE, isto é, na mente do Eterno Pai, mas em vista da Criação fez-se Real quando foi Gerado (Genesis) em MAria.


    Att

    Evangelista Flavio.

    flavioschmidt@msn.com

    ResponderExcluir
  12. Caro irmão Marcelo Valle, não sei quem escreveu o texto, que com certeza é de um eruditismo relevante, mas como estou acostumado com os teólogos de carteirinha, que são quase ateus, não me assustei.

    I Cr. 17:11 E há de ser que, quando forem cumpridos os teus dias, para ires a teus pais, (morte de Davi) suscitarei a tua descendência depois de ti,(Salomão) um dos teus filhos, e estabelecerei o seu reino. (note que não é "meu reino") 12 Este me edificará casa; e eu confirmarei o seu trono para sempre. 13 Eu lhe serei por pai, e ele me será por filho; e a minha benignidade não retirarei dele, como a tirei daquele, que foi antes de ti.

    Com certeza, o texto acima se refere ao trono de Israel e as pessoas aí envolvidas são Saul, Davi e Salomão. Este último edificou a casa (templo) do Senhor.

    Sl. 89:27 Também o farei (meu primogênito) mais elevado do que os reis da terra.

    Com certeza, o verbo farei, esta se referindo a elevá-lo acima do que os reis da terra, e não dizendo que faria um primogênito no futuro.

    Vou deixar os textos falarem por si:

    Jo. 17:5 E agora glorifica-me tu, ó Pai, junto de ti mesmo, com aquela glória que tinha contigo antes que o mundo existisse.

    Ap. 1:8 Eu sou o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim, diz o Senhor, que é, e que era, e que há de vir, o Todo-Poderoso.

    João 1:1 NO princípio era o Verbo, (A Palavra) e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. 2 Ele estava no princípio com Deus. 3 Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez.

    Ap. 19:13 E estava vestido de uma veste salpicada de sangue; e o nome pelo qual se chama é a Palavra de Deus.

    Co. 1:15 O qual é imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação;

    16 Porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades. Tudo foi criado por ele e para ele.

    Eu acho que você tem lido a bíblia com os olhos, tente lê-la com os joelhos.

    Obrigado pela sua atenção e que Deus lhe abençoe.


    Henrique Gomes

    ResponderExcluir
  13. Se a existência de Cristo foi apenas humana, o preço do pecado também foi tão baixo que um simples homem pode pagá-lo.

    Frase do caríssimo e sábio homem de Deus, Elpídio da Cruz Silva.

    Liquida com o assunto, pura inspiração divina.

    Parabens meu caro irmão Elpídio. Que Deus seja sempre contigo, amém.

    www.henriquegomescrist.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Amados irmãos, após acompanhar esse debate durante quase um ano, cheguei à conclusão de que deveria mandar um simples comentário baseado nas própias palavras de nosso senhor Jesus - alvo do debate - e, portanto, deve ser a verdade que é nosso alvo e dever; ver: 2 TIM 2:7 3 JOÃO 1:4, gostaria que ponderassem nesses simples, porém, desapercebidos textos bíblicos que encontram-se em Lucas 20:41-44 JOÃO 3:31-33 6:46 e 62 e veja também esse "ensinamento por comparação" - PARÁBOLA -, quanto à pré-existência de Cristo no mesmo capítulo 20 de Lucas vv 09-18. A Parábola dos lavradores maus. Creio que se nos submetermos ao senhor e ouvirmos a sua voz através destes textos não dando interpretações próprias e alegóricas, então nos deleitaremos no senhor e se cumprairá as palavras do próprio Cristo em JOÃO 7:17.
    Ponderem e meditem no espírito em nome de Jesus.

    ResponderExcluir
  15. Parabéns Jobson pela colocação. Só observando atentamente o que a Bíblia contém, principalmente as próprias palavras de Cristo se pode entender o ensino bíblico.
    Obrigado.
    Carlos Alberto

    ResponderExcluir
  16. Na maioria das vezes quando se defende um ponto de vista no Cristianismo, leva-se em consideração principalmente não a defesa da fé que uma vez foi dada aos santos, ou a interpretação holística da Bíblia, mas a defesa dos dogmas que são defendidos por esta ou aquela denominação cristã. Certamente, os profetas do AT e os apóstolos do NT não reconheciam em Jesus alguém que viveu antes de nascer ou que fosse Deus, mas o Filho de Deus, gerado de maneira sobrenatural no ventre de Maria e que por sua obediência foi exaltado, estando à destra de Deus PAI intercedendo por nós. Que o PAI e seu Filho Jesus abençoe a todos nós e nos ilumine no entendimento de sua Palavra. Everaldo Luiz elpl@bol.com.br

    ResponderExcluir
  17. I- JESUS NO PLANO ETERNO DE DEUS
    Jesus teve sua origem na mente e plano de Deus. Sua vida e obra foram pré conhecidas e planejadas por Deus desde o princípio dos tempos. “Conhecidas de Deus são todas as suas obras desde o princípio do mundo” (Atos 15:18). Imaginado por sua sabedoria, proporcionado por seu amor, e formado mediante o seu poder, o plano de salvação de Deus encontra o seu centro na pessoa e obra de Jesus Cristo.
    (Efes. 1:9,10; 3:11).
    Antes de Adão pecar ou ainda antes de ser criado, Deus sabia que a humanidade necessitaria de um Salvador. O Cordeiro de Deus, por isso, “em verdade foi ordenado antes da fundação do mundo.” (I Pedro 1:20).
    Seu sacrifício era tão certo e um fator de tamanha importância no plano de salvação de Deus que Ele é descrito como “o Cordeiro morto desde a fundação do mundo” (Apoc. 13:8). Este é um exemplo do que Deus chama “coisas que não são como se fossem” (Rom. 4:17).
    Jesus não existiu como uma pessoa até que nasceu em Belém. Contudo, Ele existiu na mente e plano de Deus desde a eternidade. Com isso em mente, Jesus referiu-se à “glória a qual tinha antes que o mundo existisse (João 17:5), e Ele disse, “Tu amaste me antes da fundação do mundo” (João 17:24).
    Os benefícios do evangelho que se fizeram possíveis pelo sacrifício de Cristo eram conhecidos por Deus desde o princípio e estavam inclusos no seu plano de salvação.
    A esperança de vida eterna foi prometida “antes que o mundo existisse” (Tito 1:2), o reino foi preparado “desde a fundação do mundo” (Mat. 25:34); e a graça salvadora foi dada em Cristo “antes que o mundo começasse” (II Tim. 1:9).
    Jesus é o ponto focal de toda a obra divina. Tudo o que Deus tem feito em relação ao homem e terra foi concebido com Cristo em mente. Todas as coisas foram criadas “para Ele” (Col. 1:16).
    Deus apontou seu filho como herdeiro de todas as coisas e por Ele preparou o mundo. (Heb. 1:2). Quando Deus criou nosso planeta e por Ele preparou o mundo. (Heb. 1:2). Quando Deus criou nosso planeta, Ele sabia que algum dia seu filho seria nascido aqui, daria seu filho como sacrifício pelo homem, ressuscitaria da morte, ascenderia ao céu, e mais tarde retornaria para governar sobre todas as nações. É da vontade de Deus que os pecadores redimidos sejam “conforme a imagem de seu filho, de forma que ele seja o primogênito entre muitos irmãos”.(Rom. 8:29). Ele planeja que seu filho seja a suma de toda a Sua obra “que em todas as coisas tenha preeminência” (Col. 1:18), “o primeiro nascido de toda criatura” (Col. 1:15), e “o princípio da criação de Deus” (Apoc. 3:14). Muitos homens viveram antes de Cristo, mas Ele é superior a todos. Como o último Adão, Jesus é superior ao primeiro Adão.(I Cor. 15:45,46). Ainda que mais jovem em idade, Jesus é superior a João Batista. (João 1:15,30). Ainda que Abraão era o pai da fé e fundador da nação de Israel, Jesus é superior a qualquer posição que Abraão tenha ocupado. (João 8:58).
    “Ele é antes de todas as coisas” (Col. 1:17); nenhum homem é superior a Ele.

    ResponderExcluir
  18. A Humanidade de Cristo
    Jesus é o Filho do Homem. Ele possui a verdadeira humanidade. Durante o Seu ministério terrestre, Ele era como todos os homens, exceto em que viveu sem pecado e manteve uma sobrenatural e única relação com Deus. Através da Sua relação vital com a humanidade, Jesus identificou-se com problemas, lamentos e sofrimentos da raça humana. (Hebreus 2: 14- 18.)
    Embora Jesus tenha tido uma concepção miraculosa, Ele teve um nascimento humano. (Gálatas 4: 4; Lucas 2: 7; Gênesis 3: 15; Isaias 7: 14; Mateus 1: 1; Romanos 1: 3.) Ele teve uma mãe terrena, mas não um pai terreno. Através de sua mãe, Seus ancestrais provém de Adão. (Lucas 3: 23- 38.) Por ela, Ele é o filho de Abraão e o filho de Davi. Sendo descendente de Abraão, Ele veio para cumprir o concerto com Abraão com Deus. Sendo a semente de Davi, Ele veio para cumprir o concerto de Deus com Davi.
    Jesus teve um desenvolvimento humano normal. “E a criança crescia, e desenvolvia força em espírito, cheio de sabedoria, e a graça de Deus estava sobre ele”(Lucas 2: 40). “E Jesus cresceu em sabedoria e estatura, e na graça de Deus e do homem” (Lucas 2: 52).
    Jesus tinha a aparência física de um homem. Ele tinha um corpo real (Mateus 26: 12; João 2: 21; Heb. 10: 10; João 1: 14; Colossenses 1: 22; Hebreus 2: 14- 17.) Ele foi feito na semelhança dos homens. (Romanos 8: 3; Filipenses 2: 7.) Antes de Sua ressurreição para a imortalidade, Ele era mortal e sujeito as enfermidades pecaminosas da natureza do homem mortal. Ele teve fome (Mateus 4: 2; 21: 18), sede ( João 19: 28), cansaço (João 4: 6). Ele foi tentado (Mateus 4: 1; Hebreus 2: 18; 4: 15); Ele chorou (João 11: 35); Ele dormiu (Mateus 8: 24); Ele sofreu (Hebreus 2: 9, 18; Isaias 53: 3, 4); Ele morreu (João 19: 30, 33). Quando Jesus morreu, o fôlego de vida deixou o Seu corpo e retornou para Deus que o deu. Ele foi sepultado e permaneceu inconsciente na sepultura até a Sua ressurreição. Depois de Sua ressurreição Ele mostrou a seus discípulos que tinha um corpo material real, literal em imortalidade. (Lucas 24: 39- 43.)
    Nosso Senhor foi repetidamente chamado de homem no Novo Testamento. (João 1: 30; 8: 40; Atos 2: 22; 13: 38; Romanos 5: 15; 1 Corintios 15: 21, 47; Filipenses 2: 8.) Como mediador, Ele é “o homem Cristo Jesus” (1Timoteo 2: 5). Ele retornará à terra como homem (Mateus 16: 27, 28; 25: 31; 26: 64), e como homem julgará o mundo em justiça (Atos 17: 31).
    O Filho do Homem. A frase mais comum usada por nosso Senhor para designar-se é “o Filho do Homem.” No Velho Testamento, a frase referem-se a humanidade em geral. (Números 23:19; Jó 25:6; 35:8; Salmos 8:4; 80:17; 144: 3; 146:3; Isaias 51: 12; etc.) O título foi usado por cerca de noventa vezes em referência ao profeta Ezequiel. Gabriel uma vez usou o título referindo-se a Daniel. (Daniel 8: 17) O título é aplicado ao Messias em Daniel 7: 13, 14: “E vi nas visões da noite, e eis que um como o Filho do homem vinha nas nuvens do céu, e veio até ao ancião de dias, e eles o trouxeram perante Este. E foi lhe dado domínio, e glória e majestade, para que todo o povo, nação e línguas o servissem, seu domínio é um domínio eterno, o qual não passará, e seu reino é um que não será destruído.”
    A frase “Filho do Homem” ocorre oitenta e oito vezes no Novo Testamento, oitenta e quatro vezes nos Evangelhos. Jesus foi a única pessoa a usar esta frase em referência a Si, exceto Estevão (Atos 7: 56), João (Apocalipse 1: 13; 14: 14; João 3: 13), e as pessoas que citaram as palavras de Cristo (João 12: 34).
    http:evangelistaflavio.blogspot.com

    ResponderExcluir
  19. Quantas pessoas perecem diariamente nas mãos de Satanás e nós presos em discussões acadêmicas que não nos levam a consenso nenhum devido ambas as partes estarem convictas do seu ponto de vista e, portanto, sem abertura para a verdade bíblica simples e pura.

    Devemos refletir se tudo isso é mesmo da vontade de Deus ou não passa de uma astuta artimanha de alguém que deseja nos manter ocupados enquanto endemoniados assassinam suas famílias diariamente e a medicina humana não enxerga isso, enquanto jovens se acorrentam as drogas e enquanto irmãos nossos seguem doutrinas humanas entregando suas vidas nas mãos de seres humanos.

    "Atentai para a minha repreensão; pois eis que vos derramarei abundantemente do meu espírito e vos farei saber as minhas palavras." (Provérbios 1:23)

    Que Deus ilumine a todos nós, independentemente da denominação que Ele escolheu que nós venhamos a estar.

    "Ele [Deus] possui as chaves do incognoscível, coisa que ninguém, além d’Ele, possui; Ele sabe o que há na terra e no mar; e não cai uma folha [da árvore] sem que Ele disso tenha ciência" (Al Corão, 6ª Surata versículo 59)

    ResponderExcluir
  20. Parabenizo o Evangelista Flávio que de forma clara resumiu a verdade bíblica. Everaldo Luiz Camaragibe-PE elpl@bol.com.br

    ResponderExcluir
  21. Parabéns irmão Elpídio Cruz Silva, seu comentário demonstrou profundo conhecimento e muita coerência. Na minha opinião o mais sensato de todos eles, que Deus continui te dando sabedoria e dicernimento para ajudadr entender o verdadeiro Deus e Seu Filho Unigênito (único Filho gerado), Seu Filho legítimo, pois homens afirmaram, Jesus adimitiu, o Pai comprovou e até os próprios demonios disseam que Ele é o filho do Deus Altíssimo. E quem somos nós para duvidar?
    Paz seja convosco!!!

    ResponderExcluir
  22. Parabéns irmão Elpídio Cruz Silva, seu comentáriofoi explêndido, o mais coerente de todos. Que Deuscontinue te iluminando para que continues defedendo a verdade uma vez entregue aos santos.
    Jesus realmente é o Filho lieral, o Filho unigênito (unico Filho gerado)de Deus e não há como negar.
    Os homens que viram os milagres e Sua morte afirmaram, Jesus afirmou, o Pai comprovou e até
    os demônios admitiram ser Ele o filho do Deus
    altíssimo. Quem somos nós para negar?

    ResponderExcluir
  23. vcs estão precizano se converte, dizendo que jesus não existia antes da fundação do mundo vcs querem diminuir a divindade de Jesus,ebora sendo 100% homem quado cumpriu seu monisterio aqui,ele continua sendo o verbo que estava no principio e que se fez cane e abitou entre nós.joão.cp.1.

    ResponderExcluir
  24. Caro irmão anônimo, o artigo ao qual afirma que o Filho de Deus não existia antes de nascer de Maria não é nosso, mas de um irmão que colocou no blog para estudo e análise do tema. Nós acreditamos que Jesus é Filho de Deus, gerado Dele em um principio que desconhecemos. Fique na paz de Cristo e a vontade para comentar.

    ResponderExcluir
  25. Olá irmão Marcelo, atrevi-me enviar este comunicado, devido ter analisado seu pensamento em relação a não existência da preexistência de Jesus. O mesmo tendo apresentado alguns textos bíblicos, não tem coerência em vossa crença. Pq? Muito simples, o que está faltando no irmão é compreensão e entendimento em seus textos mencionados, pois, a Palavra de Deus enfatiza e afirma a sua preexistência, como tbm os Livros de profecia, se o irmão crer. Diz um texto de profecia, que no momento presente ñ me recordo onde está escrito,mas vou procurar e enviar ao irmão, que é um mistério a encarnação de Cristo. Então certos assuntos, nossa mente finita, ñ pode compreender o infinito, compreensão que será alcançada na eternidade, para aqueles que desejam. O Deus de toda sabedoria e misericórdia lhe conceda graça no pleno conhecimento de nosso Senhor e Salvador "Cristo". Paz seja contigo.

    ResponderExcluir
  26. A grande verdade é que: para os presbiterianos, o que aprenderam é a verdade; para os batistas, o que aprenderam é a verdade; para os católicos, o que aprenderam é a verdade; para os adventistas, o que aprenderam é a verdade; para as testemunhas de Jeová, o que aprenderam é a verdade; para os mórmons, o que aprenderam é a verdade. A lista é interminável. O problema em saber qual é a verdade está em saber interpretar corretamente a Palavra de Deus. Ora, amados irmãos em Cristo, a Bíblia foi escrita por judeus, portanto, deve ser entendida com o foco naquilo que os judeus pensavam à época em que cada livro em particular foi escrito. Jesus Cristo é Deus? Sim, afinal de contas tudo que fez foi para a glória de Deus e em obediência a Deus, portanto, ele é o legítimo representante do Pai, único Deus verdadeiro, e desta forma, ele é Deus. Jesus Criso preexistiu? Claro que sim, na mente e no propósito (logos) de Deus. Jesus tem um Deus? Lógico, o único Deus verdadeiro, nosso Pai celestial.
    Tenho observado que são muitas as leituras feitas num mesmo texto bíblico, ou seja, para a compreensão do texto depende de quais princípios teológicos em que se acredita. Por exemplo: um cristão que ora, busca a Deus e estuda a bíblia, entende uma determinada passagem ou assunto de uma maneira, outro que também ora, busca a Deus e estuda a Bíblia, entende a mesma passagem ou assunto de outra maneira totalmente diferente. Como pode ser isto? Não podem existir duas verdades, uma meia verdade é na verdade uma mentira disfarçada. O que ocorre é que as pessoas usam a Bíblia para tentar provar aquilo em que já acreditam ou para tentar explicar aquilo que a sua denominação ensina, tentando encaixar a Bíblia em suas doutrinas, quando o estudo da Bíblia deveria se dá para entender o que Deus de fato revelou aos homens, observando a Bíblia holisticamente.
    Queridos irmãos,a verdade absoluta só encontraremos quando estivermos com Cristo e o Pai. Gostaria de indicar um site muito útil para uma melhor compreensão da Palavra de Deus: www.biblicalunitarian.com, está em inglês, mas com o google tradutor, dá para realizar uma boa leitura. Que o Pai e seu Filho, Jesus, o Ungido, abençoem a todos. Everaldo Luiz (elpl@bol.com.br).

    ResponderExcluir
  27. Estou até vendo fagulhas, desses diálogos tão inflamantes.
    Eu Não acho errado ter pensamentos próprios sobre determinados assuntos, principalmente bíblicos, o que errado é se esse pensamento ou ideia se torne intransponível por uma verdade evidenciada.
    Caros Irmãos A duas correntes, 1) que acredita que Jesus foi gerado por Deus, antes do inicio dos tempos, 2) que acredita que Jesus foi gerado no ventre de Maria tem provas conclusivas bíblicas para afirmar sua doutrina, porém eu principiante neste estudo tenho outra idéia e queria saber a opinião do Irmãos, essa minha idéia não é que eu acredite com unhas e dentes, mas é bom, apreciá-la.
    Deus é todo poderoso, ele pode fazer o que quiser e não dar satisfação o porque fez ou deixou de fazer certo. Ele é Justo e Longânimo também, Sendo Deus e Jesus Espírito, considerando que Jesus foi gerado antes dos tempos, poderia Deus ter concebido no ventre de Maria Jesus, assumindo assim Jesus a natureza humana. Obs. Nota-se assim que a comunicação diálogo entre Deus e Jesus somente cessaria na morte de Jesus. (Três dias e Três noites).
    Pensando assim não teria de aceita a encarnação de Cristo e também a sua existência após o seu nascimento na forma humana.
    As duas teorias doutrinárias são plausíveis, porém tem extremos intrigantes, se for analisado de maneira simples, no meu ponto de vista fica bem mais simples a explicação.
    jwlc@bol.com.br

    ResponderExcluir